Hérnia de disco tem solução

Uma das queixas mais recorrentes nos consultórios, quando o assunto é dor nas costas, tem como causa mais provável a hérnia de disco. Por atingir cerca de 5 milhões de pessoas no Brasil, a patologia exige cuidados tanto preventivos, para evitar uma possível evolução, quanto curativos, para ser elevado ao máximo a manutenção das atividades da vida diária sem a necessidade de cirurgia.

Segundo a Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos, estudos apontam que 90% dos portadores de hérnia de disco podem ter os sintomas melhorados com Fisioterapia, Acupuntura e RPG. Com maior frequência na região lombar e cervical, essa patologia afeta diretamente as atividades normais do indivíduo, podendo causar afastamento do trabalho. De acordo com o fisioterapeuta da Anjos do Lar, Alessandro Rocha Penz, “quando a hérnia de disco não é tratada, pode evoluir para o quadro cirúrgico”.

Alessandro explica que além do tratamento com sessões de Fisioterapia, Acupuntura e RPG, o médico pode indicar o uso de anti-inflamatórios – que em alguns casos serão de grande importância para o tratamento. Costuma ser indicada também a Crioterapia, uso de gelo no ponto afetado. Mas apesar de ser um grande aliado do tratamento, o procedimento deve ter o tempo correto indicado por um profissional, assim como o posicionamento certo.

Segundo o fisioterapeuta, a Acupuntura mais indicada na fase inicial pode aliviar dores e desbloquear terminais de energia espalhados pelo corpo. A Fisioterapia, voltada ao alongamento da cadeia muscular posterior e fortalecimento muscular abdominal, faz com que a estrutura muscular que envolve a coluna vertebral tenha melhor estabilidade e controle sobre o disco afetado.

Para saber a real situação da causa da dor nas costas, contudo, é primordial consultar um médico para que ele avalie o caso e solicite exames de imagem como RX ou Ressonância Magnética. Precisando de Fisioterapia ou Acupuntura, agende com nossa secretária na Anjos do Lar.

Conheça as principais causas da hérnia de disco:

  • Sedentarismo;
  • Tabagismo;
  • Obesidade;
  • Sobrecarga de peso sobre a coluna;
  • Esportes de impacto;
  • Má postura diária.