Nutrição e ansiedade

Em 2017 a Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou que há mais de 18 milhões de brasileiros diagnosticados com ansiedade, o que coloca o Brasil como o país líder em casos desse transtorno no mundo. Não é à toa que quase 100% dos pacientes que eu atendo em consultórios apresentam algum grau de ansiedade.

Mas o que isso tem a ver com nutrição? Primeiro precisamos lembrar que somos seres complexos e que a nossa saúde é fruto de uma construção diária dependente de uma série de fatores. Dentre esses fatores, mais conhecidos como determinantes sociais da saúde, está a alimentação. Isso quer dizer que para termos saúde é imprescindível ter uma boa alimentação!

Como a alimentação influencia nos distúrbios de ansiedade? Nossas escolhas alimentares influenciarão diretamente em nossa saúde mental e isso se dá basicamente pelo excesso ou a falta de determinados alimentos.

O consumo de alimentos ultraprocessados, ricos em açúcares, sal, gordura hidrogenada e aditivos alimentares, gera uma enorme sobrecarga de produtos oxidativos, ou seja, que irão danificar as nossas células, inclusive as cerebrais. Por outro lado o consumo de frutas, verduras, legumes, cereais integrais, boas fontes de gordura e de proteína nos fornecerão as vitaminas e minerais necessários para manter o bom funcionamento cerebral.

Além disso, nossas escolhas alimentares farão diferença em nossa flora intestinal. Quando consumimos alimentos saudáveis, frescos, livres de contaminantes e aditivos, estaremos alimentando as boas bactérias. Porém ao consumir os ultraprocessados, iremos alimentar as bactérias patogênicas, que quando associadas às toxinas liberadas pelo estresse do dia a dia causam um desequilíbrio em nossa microbiota intestinal.

Já é bem documentada a relação direta entre saúde intestinal e saúde mental, portanto, ao cuidarmos na nossa alimentação estaremos melhorando direta e indiretamente os distúrbios de ansiedade.

 

Alini Faqueti

Nutricionista CRN10 6181

Especialista em Saúde da Família

Pós-Graduada em Nutrição Clínica Funcional

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *